Seja bem-vindo, volte sempre e o último a sair apaga a luz ! :D

Quem sou eu

Minha foto
Rio de Janeiro, Brazil
Eu sou Vanessa Provietti, tenho 25 anos, sou carioca, sou loira, sou linda, sou leonina, sou tricolor (é a ordem natural das coisas hahah), sou caçula, sou pequena e esse é um dos meus apelidos também. Sou apaixonada por palavras. Eu amo escrever, violão,judô, praias, chocolate, me expressar, viagens, Deus, a vida e as pessoas que fazem parte dela.

quarta-feira, 17 de fevereiro de 2010

Se hoje fosse o último dia?

    

      Sabe aquele dia razoavelmente bem que quando chega o final você percebe, talvez pela falta de alguém, talvez por pensar de mais, que não aconteceu nada produtivo nele?

Eu estou nesse meu dia, justo eu a garota hiperativa e moleca que todo mundo enxerga assim, quem diria que a pequena que desconhecia os famosos efeitos, hoje entraria no orkut desejando uma foto nos visitantes recentes, ou ficaria on-line até altas horas no msn na esperança de ver uma janelinha subir, quem diria que eu ficaria com “cara de boboca” imaginando uma miséria tua, quando há toda uma riqueza em mim. Mas hoje eu prometi a mim mesma que não falaria de você. Até porque você não faz idéia de nada disso e nem acredito que vira a fazer.

Me desculpa, não é falta de coragem, dessa vez não, é bloqueio quando nós corremos o risco de sofrer, repito, é bloqueio quando nós corremos risco de sofrer.
É, engraçado porque eu sempre costumo dizer que tudo é passável, é só acreditar.
E um tempo atrás eu pensava assim a respeito de outro alguém, eu esperei tanto isso, vi que generalizei a coisa. E não é que veio você e incrivelmente passou, que estranho né? Deve ser por isso que eu deixo você fazer todo esse estrago, sei lá.
Droga, esqueci não era para falar de você!

     Então, voltando ao meu relato do dia, a sorte de hoje é “se hoje fosse seu ultimo dia, será que você faria alguma coisa para mudar a sua vida inteira?”

Fato que eu faria, eu diria ao meu pai “eu te amo, coroa”, abraçaria forte minha mãe e ela me daria um beijo no ombro, ai sentiria –me segura como a muito não me sentia;
deixaria meu sobrinho se sentir bem mais alto que eu e caçoar disso, o chamaria de irmão; jantaria com a minha família inteira e diria o porque que eu fico rindo e cantando sozinha, diria o quanto eu sou feliz, iria mais além o quanto eu sou grata; ligaria para os meus melhores amigos sem por culpa na inflação por não ter ligado antes; eu oraria pelo mundo e desejaria que ele por um instante fosse do meu jeito, eu logicamente estaria realizada enquanto a minha passagem pela vida e por isso agradeceria muito. Se hoje fosse o meu ultimo dia, eu deixaria de presente ao mundo o acesso a sentimentos que poucos saberiam ou mereceriam sentir; olharia nos olhos de alguém e diria: foi bom te conhecer, é bom demais saber que você gosta de mim e obrigada por cativar o que há muito achava estar perdido!

    E eu escreveria muito, contaria todos os meus “podres”, meus maiores surtos, minhas maiores descobertas, minhas mais comentadas ressacas, eu falaria de Deus.. beberia muito, e não deixaria que me tirassem a caneta e o papel.

Ah, eu pularia de pára-quedas de braços abertos e sentiria a tão sonhada sensação de voar, eu fecharia meus olhos na ambição de lembrar as cenas mais importantes da minha vida.

    E por fim, quando me encontrasse sentindo o tal vazio no peito, eu agarraria a ultima esperança de que não fosse meu ultimo dia, e certamente, eu falaria de você,

irôoonico não?!


terça-feira, 16 de fevereiro de 2010

Incrível Sensação .


Eu estou aqui dentro de um ônibus, indo para o trabalho, fui assaltada ontem, ou seja, estou de “ressaca espiritual” e senti uma vontade enorme de escrever, mas dessa vez, a inspiração não surgiu através de uma certeza, uma vivência, algo ouvido, diferente das outras vezes, foi uma vontade vinda de algo muito superior às coisas desse mundo, coisas conhecidas por mim, hoje eu quero falar sobre fé, eu quero falar também sobre aquela terrível limitação de não sentir nada e aquela incrível sensação de acreditar em algo que não se pode ver, sensação de crer apenas.


Então, eu fui criada na doutrina evangélica, estudei em colégio católico, freqüentei a igreja adventista do 7° dia, tive amigos e amigos espíritas, cardecistas, ateus, judeus, me afastei da igreja aos 13 anos, li sobre diversas teorias que me foi possível, tenho paixão pela bíblia, sou curiosa à respeito de Deus e tenho uma necessidade terna dele, amo saber que não importa o quanto você discrimine, seja fã, ou fique neutro, desde que você creia, não precisa fazer sentido. Acredite com todas as forças, siga com o coração e a mente, e o seu vazio estará completo e as demais coisas revividas em teu coração, mas não tenho a intenção de “bancar” a religiosa aqui para você, oh, e como eu to longe disso (me considero desestruturada).
Entretanto independente dos meus pontos de vistas, das minhas piras, ou aceitações, tenho fé, tenho crenças e princípios que jamais me foram tirados. E eu gosto mesmo quando percebo que aqueles valores que me foram passados lá na infância, ainda têm tamanho efeito no meu agora.

Estava pensando, é inenarrável aquela sensação de acordar de madrugada, tendo a impressão de que está faltando alguma coisa, quando na verdade eu não orei antes de dormir; aquela “coisa automática” de pedir perdão quando desejo/falo algo perverso; ou ao me ver com muito medo, num momento muito ruim ter necessidade de clamar alguém que com certeza estará olhando por mim; ao estar completamente grata poder gritar: OBRIGADA, OBRIGADA POR TUDO! E saber que não há recompensa que pague, ele não quer nada em troca, ele não pede sacrifícios seus, porque o maior dos sacrifícios por ele já foi feito.
E de tudo sabe o que eu acho mais incrível? É quando eu me sinto sendo abraçada, quando eu posso pensar em voz alta, porque não importa o quanto eu me sinta, esse alguém sabe de absolutamente tudo o que se passa em minha cabeça, em meu coração, em minha vida.

Aquela sensação de saber que não importa tudo o que você faça, não importa o quanto você peque, há alguém que te amará incondicionalmente.
É saber que mesmo tendo ciência que muitos iriam rejeitar, aceitar ser humilhado, ser surrado, ser agredido, insultado, cuspido e por amor se entregar à cruz sem hesitar.
É ter certeza que ele teria passado por tudo isso de novo, mesmo se apenas Eva tivesse pecado, ele teria feito tudo isso outra vez, apenas por mim ou apenas por você.
Pense na pessoa que você mais admira nessa vida, agora se pergunte, ela faria?

A fé é o mais misterioso dos sentimentos, acho que ela esta extremamente ligada a todos os outros e é o mais próximo do amor. E se um dia eu pudesse deixar um anseio a todos vocês, ou aqueles que não conseguem sentir mais nada, eu deixaria a fé e não consigo pensar em algo que eu preferiria ter deixado.

Enfim, espero que agora, quando precisar de algo em que acreditar, você realmente saiba a quem chamar, escolha sabiamente, certo?